Pneumonia - Daniela Alves
Atividade física
8 de setembro de 2016
Referências
26 de setembro de 2016

Pneumonia

Pneumonia

Pneumonia é uma infecção das vias aéreas inferiores. Pode ter causa viral, fúngica e, mais comumente, bacteriana. Algumas outras formas raras também se apresentam, mas foge à ideia deste texto informativo – mas responderei a qualquer um que queria outras informações por e-mail.

Para ser caracterizado pneumonia na forma bacteriana, que é de longe a mais comum, é preciso que os alvéolos – que são as estruturas mais delicadas que realmente formam a parte do pulmão responsável pela troca de gás carbônico por oxigênio – fiquem cheios de pus (que nada mais é que a secreção que a bactéria em questão produz).

Existem várias maneiras de se avaliar um paciente com pneumonia.

Primeiramente, como sempre, vamos nos ater à história e ao exame físico.

Com o diagnóstico feito, precisamos nos perguntar:

  1. É um paciente jovem ou um paciente na terceira idade?
  2. É um paciente saudável ou ele tem outras comorbidades?
  3. Já há critérios iniciais que indiquem a gravidade da infecção?
  4. Foi uma infecção adquirida na comunidade, no hospital ou na UTI?
  5. Se foi na UTI, tem relação com uso de aparelhos de ventilação mecânica?
  6. É um paciente já com uma doença pulmonar de base? Asma, DPOC, Doença Intersticial?

Apenas depois de posse de todas essas informações, o melhor tratamento será instituído. No caso das infecções bacterianas – sendo o Streptococo pneumoniae a bactéria mais comum – o antibiótico correspondente será iniciado.

Em algumas vezes, solicita-se radiografia simples de tórax, hemograma e função renal, não que sejam necessários para o diagnóstico – já que este é clinico -, mas para o devido acompanhamento e para a avaliação da resposta ao tratamento.

A duração do curso de antibiótico varia de 7 a 10 dias.

Além do antibiótico, outras medicações sintomáticas podem ser prescritas. Sugere-se ainda um repouso moderado, alimentação leve e muita hidratação por meio de água e chás. Após 48 horas do início do antibiótico, o organismo começa a responder e a resolução está em curso. Se após 48 horas de antibiótico a febre persistir, volte a procurar seu pneumologista, pois podemos estar frente a um quadro de resistência ao antibiótico e o mesmo precisará ser trocado.

Agende sua consulta