Mindfulness e Inflamação - Daniela Alves
Síndrome Metabólica e Saúde Mental – Parte 2
3 de agosto de 2021
Alzheimer e Disbiose
15 de agosto de 2021

Mindfulness e Inflamação

Nas últimas duas décadas, as intervenções corpo e mente, como meditação e atenção plena, têm ganhado suporte por sua capacidade de diminuir o estresse percebido, aliviar a depressão, reduzir a solidão, diminuir as vias inflamatórias centrais e beneficiar a regulação imunológica. Isso pode ser benéfico para pessoas que sofrem de doenças inflamatórias crônicas.

Pesquisas atuais destacam a probabilidade de vários caminhos distintos no efeito das intervenções no estilo de vida, como meditação, atenção plena e ioga, na função imunológica e na inflamação. 

Em um ensaio randomizado controlado (RCT), os resultados indicaram que o treinamento da atenção plena pode impactar os circuitos cerebrais mensuráveis ​​que produzem benefícios inflamatórios à saúde e pode diminuir o interleucina-6 (IL-6), um marcador da inflamação.

Os pesquisadores sugerem que a atenção plena também pode ser eficaz na redução de IL-6 elevada na corrente sanguínea que pode aparecer em pacientes que abusam cronicamente de álcool.

Um estudo de 2019 em 72 adultos descobriu que maior tempo de prática de atenção plena foi significativamente associado a níveis reduzidos de IL-6, sugerindo que o nível de envolvimento no treinamento da atenção plena pode prever mudanças na fisiopatologia inflamatória em adultos com dependência de álcool. 

Um RCT de 2019 examinou se exercícios aeróbicos e meditação poderiam diminuir a inflamação sistêmica. O estudo de oito semanas descobriu que os participantes do exercício tinham diminuído a produção de Interferon e PCR.

A prática da meditação pode levar à diminuição dos marcadores fisiológicos de estresse em uma variedade de populações e a ioga também foi sugerida como uma intervenção viável para reduzir a inflamação em uma infinidade de condições crônicas. 

Um estudo de 2017 examinou o efeito combinado da ioga e da meditação sobre saúde mente-corpo e encontrou um aumento nos níveis plasmáticos de fator neurotrófico derivado do cérebro (BDNF) e aumentos na magnitude da resposta ao despertar do cortisol em participantes saudáveis ​​do estudo que participaram de um retiro de três meses. 

A exposição a estressores crônicos pode afetar o risco de desenvolver hipertensão e diabetes tipo 2, uma vez que a inflamação demonstrou desempenhar um papel importante na patogênese dessas doenças. Para esse fim, os pesquisadores estudaram se a meditação baseada na educação cerebral (BEM – também conhecida como meditação vibratória por ondas cerebrais, uma versão de um treinamento mente-corpo tradicional da Coréia) pode ser benéfica para pacientes com essas doenças inflamatórias. 

Neste pequeno estudo piloto, em comparação com a educação em saúde apenas, o BEM ajudou a reduzir o nível de colesterol LDL e a expressão do gene inflamatório em pacientes e induziu efeitos positivos nos estados físicos e mentais auto-relatados.

O estresse crônico também demonstrou afetar o microbioma intestinal. A resposta de lutar ou fugir desencadeada pelo estresse psicológico tipicamente estimula o hormônio liberador de corticotropina e a produção de catecolaminas, o que acaba perturbando a microbiota.

Na ausência de estresse, uma microbiota saudável produz ácidos graxos de cadeia curta (butirato) que atuam como antiinflamatórios e antitumorais. Durante o estresse, uma população microbiana intestinal alterada afeta a regulação de neurotransmissores mediados pelo microbioma e a função de barreira intestinal. 

Um estudo de 2017 sobre os efeitos do estresse e da meditação no sistema imunológico, microbiota humana e epigenética descobriu que a meditação ajuda a regular a resposta ao estresse, suprimindo assim estados inflamatórios crônicos e mantendo a função de barreira intestinal saudável.

Esses estudos aumentam o conhecimento crescente sobre estresse e inflamação e seus impactos na saúde, bem como o papel da atenção plena em ajudar a prevenir esses efeitos. Essa pesquisa contínua nos leva a um melhor entendimento de como as intervenções de atenção plena funcionam, particularmente no que diz respeito aos componentes de treinamento que geram benefícios relacionados à saúde. 

×