O que eu devo comer para ter uma boa saúde? - Daniela Alves
Respiração 4-7-8. Como funciona esta técnica para controle do estresse.
22 de março de 2018
No dia 07 de abril, comemoramos o Dia Mundial da Saúde. Mas o que é ter saúde?
5 de abril de 2018

O que eu devo comer para ter uma boa saúde?

No dia 31 de março, comemoramos o Dia Nacional da Saúde e Nutrição. Esse post veio adiantado, até porque o assunto é o meu dia-a-dia constante. Por mais que eu tenha feito Clinica Médica, Medicina Intensiva, Nutrologia e esteja na conclusão da certificação em Medicina Funcional e no segundo ano de Medicina Integrativa, o que me move é o que já dizia Hipócrates, o pai da Medicina: “Que o teu alimento seja o teu remédio e o que o teu remédio seja o teu alimento”.

Alimentação saudável é o primeiro passo para uma boa saúde. Qualquer que seja a abordagem: low carb, low fat, anti-inflamatória, protocolo auto-imune, qualquer um dos protocolos de Medicina Funcional ou limpa moderada em carboidratos. A qualidade do que comemos é muito mais importante do que a quantidade.

Na composição dos alimentos existem carboidratos bons e ruins, assim como existem gorduras boas e ruins. Nosso corpo é inteligente, sabe a diferença e sabe quais estão fornecendo informações de qualidade e quais são tóxicas, levando ao ganho de peso e a doenças metabólicas em geral.

Aqui, algumas sugestões do Dr. Mark Hayman, no seu livro “Food: What the Heck Should I Eat?”, publicado no último dia 27 de fevereiro:

  • Prefira uma dieta com a carga glicêmica baixa - pobre em açúcar, farinha e carboidratos refinados de todos os tipos;
  • A maior quantidade da sua alimentação acabará por vir de vegetais. Quanto mais profundas as cores e maior variedade, melhor. Isso fornece uma alta concentração de micronutrientes;
  • Tente optar por alimentos reduzidos na exposição aos pesticidas, antibióticos e hormônios;
  • Fique longe de produtos químicos, aditivos, conservantes, corantes, adoçantes artificiais e outros produtos que a sua bisavó não entenderia por comida;
  • Escolha alimentos preferencialmente orgânicos, locais e frescos. Se você, como eu, não dispensa as proteínas animais, prefira carnes de bichos criados soltos, sustentáveis e zero tolerância à crueldade animal;
  • Coma gorduras de qualidade como peixes de água gelada, oleaginosas, côco e abacate;
  • Certifique-se da ingestão correta de proteínas, tanto para o controle da saciedade quanto para a síntese muscular, especialmente com o passar da idade.

Optar por alimentação saudável é uma escolha diária. O processo de transformação de hábito pode parecer difícil e penoso, mas com o passar no tempo vai fazer parte de você!